Hoje está fazendo um ano que o mundo se surpreendeu e se divertiu com o Mazembaço.

Lucas, esse teu texto é só pra cornetear o Inter?” Não. Obviamente o texto é TAMBÉM para dar uma cutucada no co-irmão, mas o principal objetivo dele é fazer uma reflexão e, quem sabe, até uma homenagem ao futebol.

Imagino que o ser humano tenha um instinto natural de torcer pelo mais fraco. Quem nunca torceu pro coelhinho do Discovery Channel fugir da leoa faminta? E o futebol, que já é extremamente democrático por dar chances a pobres, ricos, brancos, negros, altos, baixos, magros, fortes e até gordinhos, nos encanta também por ser um dos esportes mais imprevisíveis que existe.

Dificilmente o mais fraco vence no basquete, por exemplo. No futebol isso é mais comum, e são justamente esses momentos que brigam com a lógica um dos principais responsáveis por tornar o futebol algo tão apaixonante.

O “Mazembe Day” é um marco na história do futebol. Talvez menos significativo que o Maracanazzo, mas com certeza mais improvável e surpreendente. É o Mazembazzo. Me desculpem, colorados, mas vocês fizeram história. De um jeito um tanto inglório, mas fizeram.

Ah, mas em 2005 vocês tomaram 4 da Anapolina”. Sim, foi um fiasco. Em 2005, EM UM DOS PIORES ANOS DE SUA HISTÓRIA, o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense disputava uma triste Série B do futebol nacional. Acabou sagrando-se campeão da competição, mas no seu decorrer sofreu um revés aqui e outro acolá, como esse acachapante 4×0 do time de Anápolis/GO.

Mas como eu disse, o Grêmio estava em um ano triste, uma mancha em sua gloriosa história, disputando uma Segundona. Foi feio tomar goleada de um time infinitamente menor? Foi, mas e aí? Quais os nomes dos autores dos gols do time goiano? Ninguém lembra. Justamente porque faz parte. O Inter já perdeu pro União Rondonópolis. O Grêmio já perdeu pra muitos outros times minúsculos, o colorado também, e TODOS OS TIMES GRANDES, idem. Faz parte, é da beleza do futebol.

Mas o Mazembaço é emblemático porque não estávamos falando de um time rebaixado. Tampouco de um time que vivia um ano insosso, irregular, ou até mesmo médio. Nem de uma partida de Gauchão, ou amistosa. Estávamos falando do atual Campeão da América, que vivia um dos melhores anos DA HISTÓRIA DO CLUBE, disputando nada menos que um Mundial Interclubes. Um clube que já estudava a Internazionale, provável adversária numa eventual Final. Um clube que não sabia nada daqueles africanos do Congo, que provavelmente fariam partida parelha com a Anapolina de 2005.

O #MazembeDay deve ser comemorado por todos os amantes do futebol, e não só por nós corneteiros gremistas. É um ícone do improvável, daquilo que torna o futebol tão fascinante. É um dia para lembrarmos não só de times menores que reverteram expectativas, mas também de contextos adversos que foram surpreendentemente alterados, como a Batalha dos Aflitos ou o Liverpool campeão da Champions League 2004/05.

Na VIDA, a reversão de expectativas já é sempre impressionante e atraente. Acho lindo quando isso acontece no futebol. Se for envolvendo meu maior rival então, nada mais justo do que eu ficar feliz. E se tiver um goleiro quicando com a bunda no chão, aí, senhoras e senhoras, é a história sendo escrita diante de nossos olhos com requintes de crueldade. E como no futebol o choro de um é a alegria do outro, convido a todos os amantes do esporte, exceto colorados, para celebrarem o #MazembeDay nesse 14/12/11.

Saudações azuis, pretas e brancas.

@lucasvon


Kanhanga: africano que mora em Porto Alegre/RS, fez seu rap horas depois da partida.

Anúncios